Skip to content

Os números de 2010

2 de Janeiro de 2011

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Este blog é fantástico!.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um Boeing 747-400 transporta 416 passageiros. Este blog foi visitado cerca de 1,500 vezes em 2010. Ou seja, cerca de 4 747s cheios.

 

Em 2010, escreveu 12 novos artigos, nada mau para o primeiro ano! Fez upload de 121 imagens, ocupando um total de 214mb. Isso equivale a cerca de 2 imagens por semana.

O seu dia mais activo do ano foi 23 de Novembro com 41 visitas. O artigo mais popular desse dia foi Rochas ígneas da região de Leiria – bibliografia digital.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram geopedrados.blogspot.com, google.pt, search.conduit.com, geoleiria.blogspot.com e mail.sapo.pt

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por pedreira teira basalto alcobertas, imagens antigas da nazaré, geologia leiria, rochas igneas e ficha inventariação geossitios algarve

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Rochas ígneas da região de Leiria – bibliografia digital Julho, 2010
2 comentários

2

Rochas ígneas da região de Leiria – outros materiais de apoio à visita Julho, 2010
2 comentários

3

Um roteiro geológico na cidade do Lis Julho, 2010
1 comentário

4

Rochas ígneas da região de Leiria – cartografia Julho, 2010
2 comentários

5

Rochas ígneas da região de Leiria – mapas interactivos Julho, 2010
2 comentários

Rochas ígneas da região de Leiria (roteiro geológico) – síntese

1 de Agosto de 2010

Colocámos, nos dez posts anteriores, um roteiro geológico em hipertexto, feito pelos docentes Fernando Martins, M.ª Adelaide Martins e M.ª Cândida Marques, no âmbito da Acção de Formação História Geológica e Geologia na História – Roteiros Geológicos, organizada pelo Centro de Formação de Alcobaça e Nazaré (dada pelo Professor Doutor Jorge Dinis do Departamento de Ciências da Terra – Universidade de Coimbra). A componente principal deste roteiro está no post:

Associado a este post estão ainda os seguintes:

Disponibilizamos ainda este espaço para quem quiser publicar os seus roteiros…

Os autores,

  • Fernando Martins
  • M.ª Adelaide Martins
  • M.ª Cândida Marques

Rochas ígneas da região de Leiria – página para trabalhos de alunos e/ou docentes

30 de Julho de 2010

EXEMPLOS DE HOTPOTATOES

Rochas ígneas da região de Leiria – mapas e tempos da saída

30 de Julho de 2010

TRAJECTO A PÉ

,,,

1. Ponto de encontro: Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo (08.30 horas)


Local e Duração da Paragem (15 minutos tolerância + 5 minutos caminhada + 25 minutos  actividade):

,,,

2. Partida para Rua Júlia das Dores Silva Crespo (09.30 horas)


Local e Duração da Paragem (15 minutos caminhada + 30 minutos  actividade):

,,,

2. Partida para Avenida Ernesto Korrodi (10.15 horas)


Local e Duração da Paragem (15 minutos caminhada + 75 minutos  actividade):

,,,

3. Regresso à Escola Rodrigues Francisco Rodrigues Lobo(12.00 horas)


,,,

TRAJECTO DE AUTOCARRO

,,,

1. Leiria – Monte de São Bartolomeu (Nazaré) – 30 min. viagem+ 60 min.  actividade + 30 min. almoço


,,,
2. Monte de S. Bartolomeu – Portela de Teira (Rio Maior) – 60 min. viagem+ 75 min.  actividade


Percurso pedestre e ida a pedreira:


,,,

3.  Portela de Teira – Alqueidão da Serra (Porto de Mós) – 50 min. viagem+ 30 min.  actividade + 10 min. merenda


,,,

4.   Alqueidão da Serra – Leiria (Escola) – 30 minutos viagem


Rochas ígneas da região de Leiria – outros materiais de apoio à visita

30 de Julho de 2010

Filmes YouTube

,,,

Textos do Geo-Sítios – Inventário de Sítios com Interesse Geológico:

1. Afloramento do filão de Portela de Teira


Descrição: O afloramento integra-se num vasto filão-camada basáltico com vários quilómetros de extensão. Acompanha a E a estrutura diapírica de Rio Maior-Porto de Mós. O filão está instalado em níveis siliciclásticos do Jurássico Superior designados na carta geológica como “Grés Superiores com vegetais e dinossauros” (Formação do Bombarral, do Titoniano). A parte mais espectacular, pela bela disjunção prismática que revela, situa-se numa frente abandonada da pedreira, voltada a W. A disjunção verifica-se em colunas com cerca de 0,5 mde diâmetro por 15 a 20 m de altura, verticais. A cerca de 50 m a Sul, em frente activa da pedreira verificava-se (em 2002) a ocorrência de disjunção semelhante mas em colunas com uma disposição subhorizontal. A degradação não estava muito avançada, podendo ser facilmente recuperável, implicando, para tal, a cessação dos trabalhos da pedreira nas proximidades imediatas. O local é privilegiado ainda pela sua orientação a Norte, com vista magnífica para a depressão de Alcobertas, para o flanco oriental da Serra de Candeeiros, sendo visível em grande extensão o espelho da falha da estrutura diapírica de Rio Maior – Porto de Mós.
,,,
Localização:

  • Distrito: Santarém
  • Concelho: Rio Maior
  • Local: Junto à povoação de Portela de Teira, cerca de 7,5Km a N de Rio Maior
  • Folha 1:200 000: Folha 5
  • Folha 1:50 000: 26-D, Caldas da Rainha
  • Folha 1:25 000: 327

,,,

2. Monte de S. Bartolomeu (Nazaré)


Descrição: Constitui um morro, situado a cerca de 2 Km a NE da Nazaré, atingindo a altitude de 156m sendo acompanhado por outros dois afloramentos, mais pequenos, envolvidos todos pelas areias de dunas, do Holocénico. De acordo com Ferreira e Macedo (1983), este afloramento inclui-se no conjunto de criptodomas de rochas eruptivas granulares associados aos diapiros da B. Lusitânica, definindo o alinhamento ocidental Leiria-Parceiros-Nazaré-Caldas da Rainha-Óbidos, ligado a falhas longitudinais NE-SW que afectam aquela Bacia e relacionadas com a fase de expansão oceânica. Estes autores retomam a caracterização petrológica das rochas que já tinham sido estudadas por diversos investigadores (Neiva, 1948a, 1948b, 1949a, 1949b; Morais e Neiva, 1947; Zbyszewsky e Andrade, 1956). A sua composição quimica e mineralógica é diferenciada, fazendo parte de uma sequência alcalina cujos termos variam entre gabros augíticos, com textura ofítica aos microssienitos (cerca de 64% de SiO2). A augite, a horneblenda e a biotite são minerais férricos mais comuns. A plagioclase varia de labradorite a oligoclase, o feldspato potássico ocorre nos termos diferenciados e o quartzo está geralmente ausente.

Localização:

  • Distrito: Leiria
  • Concelho: Nazaré
  • Local: A 2 km NE da Nazaré
  • Folha 1:200 000: Folha 5
  • Folha 1:50 000: 26-B, Alcobaça
  • Folha 1:25 000: 307

,,,

Textos do Blog Mesozóico – Instituto Educativo do Juncal:

1. Guilherme, J.; Marques, H.; Silva, F. (2010) – Zonas de Perigosidade Geológica na Cidade de Leiria.

2. Guilherme, J.; Ferreira, S.; Santos, R. (2010) – Meteorização do dolerito do castelo de Leiria: implicações na cidade.

3. Guilherme, J.; Santos, V.; Shtefan, K. (2010) – Localização de falhas na cidade de Leiria.

4. Santos, C.; Coelho, C.; Marques, F.; Pires, D.; Santos, F.; Xavier, P. (2008) – São Bartolomeu: Porquê Geomonumento?

,,,
Listagem de Geomonumentos – site da PROGEO:

Geomonumentos classificados como Monumentos Naturais (Dec.Lei 19/93 de 23 de Janeiro)

  • Pedreira do Galinha – pegadas de dinossauros, Serra d’Aire (Dec.Reg. nº12/96 de 22 de Outubro)
  • Pego Longo – pegadas de dinossauros, Carenque, Sintra (Dec.Reg. nº19/97 de 5 de Maio)
  • Pedra da Mua, Avelino e Lagosteiros, Sesimbra (Dec.Reg. nº20/97 de 7 de Maio)

Geomonumentos classificados como Sítios Classificados (Dec.Lei 613/76 de 27 de Julho)

  • Gruta do Zambujal, Sesimbra (Dec.Lei nº140/79 de 21 de Maio)
  • Monte de S.Bartolomeu, Nazaré (Dec.Lei nº108/79 de 2 de Maio)
  • Fonte da Benémola, Loulé (Dec.Lei nº392/91 de 10 de Outubro)
  • Rocha da Pena, Loulé (Dec.Lei nº392/91 de 10 de Outubro)
  • Campo de lapiás da Granja de Serrões, Pero Pinheiro, Sintra (Dec.Lei nº393/91 de 11 de Outubro)
  • Campo de lapiás de Negrais, Pero Pinheiro, Sintra (Dec.Lei nº393/91 de 11 de Outubro)

Geomonumentos classificados como Paisagem Protegida (Dec.Lei 613/76 de 27 de Julho)

  • Arriba Fóssil da Costa da Caparica (Dec.Lei nº168/84 de 22 de Maio)

Geomonumentos classificados como Imóvel de Interesse Público

  • Penedo de Lexim, Mafra (Dec.Lei nº28/82 de 26 de Fevereiro) – Local classificado pelo IPPC (actual IPPAR) dado o seu valor arqueológico

Geomonumentos classificados como Monumento Natural Regional (Açores)

  • Pedreira do Campo, Ilha de Santa Maria, Açores – Decreto Legislativo Regional nº 11/2004/A, Diário da República, de 23 de Março de 2004 (pág. 1634 e 1635).

Geomonumentos ao nível do afloramento alguns classificados pelas autarquias, outros apenas propostos

Em Lisboa

  • Plataforma carbonatada com briozoários (Rua Sampaio Bruno, Miocénico)
  • Afloramentos de calcário com sílex (Av. Infante Santo, Cenomaniano)
  • Calcários em camadas horizontais (Alto dos Sete Moinhos e Av Calouste Gulbenkian, Cenomaniano)
  • Depósito conglomerático fluvial (Trav. das Águas Livres)
  • Basalto (Rua Fialho de Almeida)

Em Sesimbra

  • Pegadas de saurópodes (Pedreira do Avelino, Zambujal)
  • Gruta do Zambujal
  • Arriba das Praias do Meco e das Bicas
  • Gesseira de Santana
  • Calhaus da Serra de Sintra a sul do Tejo

Em Setúbal

  • Pedra Furada

Em Sintra

  • Pegadas de dinossauros (Praia Grande, Colares)

Em Torres Vedras

  • Tronco silicificado do Cretácico (Cadriceira)

Outras ocorrências

  • Barreiro da Fábrica Jerónimo Pereira Campos (Aveiro)
  • Discordância angular da Praia do Telheiro (Vila do Bispo)
  • Duna consolidade de Oitavos (Cascais)
  • Jazida fossilífera de Cacela (Algarve)
  • Monte de S.Bartolomeu (Nazaré)
  • Pegadas de Terópodes do Cabo Mondego
  • Penedo de Lexim (Mafra)
  • Pincha de Minde
  • Afloramento sienítico da Picota (Serra de Monchique)
  • Chaminé vulcânica da Papôa (Peniche)
  • Duna consolidada de Magoito (Sintra)
  • Lomba dos Pianos (Mafra)
  • Livraria do Mondego (Penacova)
  • Mina da Guimarota (Leiria)

Geomonumentos ao nível do sítio alguns classificados pelas autarquias, outros apenas propostos

Em Cascais

  • Campo de dunas activas (Guincho)
  • Campo de lapiás litoral (entre Cascais e o Guincho)
  • Boca do Inferno

Em Condeixa-a-Nova

  • Vale das “buracas” do Casmilo

Na Figueira da Foz

  • Sequência estratigráfica no Jurássico (Cabo Mondego) – processo de classificação em curso há mais de 20 anos!

Em Lisboa

  • Antigas explorações de pedra em Rio Seco

Em Loulé

  • Rocha da Pena
  • Fonte da Benémola

Em Ourém/Torres Novas

  • Monumento Natural das Pegadas de Dinossauros da Serra d’Aire

Em Portalegre

  • Galerias de Escusa

No Porto

  • Gneisses e granitos no Passeio da Foz

Em Sesimbra

  • Pegadas de dinossauros de Lagosteiros

Em Sintra

  • Pegadas de dinossauro de Pego Longo (Carenque)
  • Campo de lapiás de Negrais
  • Campo de lapiás da Granja dos Serrões

Em Viseu

  • Geomonumento do Monte de Santa Luzia

Geomonumentos ao nível da paisagem alguns classificados, outros apenas propostos

  • Arriba fóssil da Costa da Caparica
  • Baia dos Lagosteiros (Sesimbra)
  • Caldeiras vulcânicas de colapso gravítico (Ilha de S.Miguel)
  • Concha de S.Martinho do Porto (Alcobaça)
  • Nave do Barão (Salir, Algarve)
  • Nave de Santo António e Vale glaciário do Zêzere (Serra da Estrela)
  • Pedra da Mua (Cabo Espichel, Sesimbra)
  • Polje de Mira-Minde (Maciço Calcário Estremenho)
  • Portas de Rodão (Castelo Branco)
  • Pulo do Lobo (Serpa)

Parques temáticos

  • Parque Paleozóico de Valongo (iniciativa Câmara Municipal de Valongo e Dep. de Geologia da Univ. do Porto)

,,,

Publicações nacionais no âmbito do Património Geológico – site da PROGEO:

  • Dinossáurios e a batalha de Carenque
    A.M. Galopim de Carvalho, 1994, Editorial Notícias, Lisboa, 291p.
  • Geomonumentos – Uma reflexão sobre a sua caracterização e enquadramento num projecto nacional de defesa e valorização do Património Natural.
    A.M. Galopim de Carvalho, 1999, Editado por Liga de Amigos de Conimbriga, 30p.
  • O Jurássico de Portugal 1.0 – O Geomonumento do Cabo Mondego
    R.R. Rocha, M.H. Henriques e L.V. Duarte, 2001, Editado por Liga de Amigos de Conimbriga, CD-ROM (Windows)
  • Parque Paleozóico de Valongo – Património Geológico
    H. Couto e A.G. Dias, 2001, Câmara Municipal de Valongo, 40p.
  • Geopaisagens do Arquipélago da Madeira / Geolandscapes of the Madeira Archipelago
    João Silva, Rui Camacho & Celso Gomes, 1998, 14 p., Madeira Rochas – Divulgações Científicas e Culturais.
  • 12 Puzzles de Geopaisagens do Arquipélago da Madeira + CD Rom
    João Silva, Rui Camacho, Ricardo Jardim & Celso Gomes, 1998, 17 p., Madeira Rochas – Divulgações Científicas e Culturais.
  • Geopaisagens do Arquipélago da Madeira / Geolandscapes of the Madeira Archipelago
    João Silva, Rui Camacho & Celso Gomes, 1999, 14 p., Madeira Rochas – Divulgações Científicas e Culturais.
  • Desdobrável e guião da exposição fotográfica itinerante “Geopaisagens Versus Património Geológico do Arquipélago da Madeira / Geolandscapes Versus Geologic Patrimony of the Madeira Archipelago”
    João Silva, Rui Camacho & Celso Gomes, 2000, Madeira Rochas – Divulgações Científicas e Culturais.
  • Aspectos Geológicos do Arquipélago da Madeira / Geologic Features of the Madeira Archipelago
    João Silva, Rui Camacho & Celso Gomes, 2001, 14 p., Madeira Rochas – Divulgações Científicas e Culturais.
  • Aspectos Geológicos Peculiares do Pico de Ana Ferreira da Ilha do Porto Santo, Arquipélago da Madeira / Unique Geologic Features of Pico de Ana Ferreira, Porto Santo Island, Madeira Archipelago
    João Silva, Rui Camacho & Celso Gomes, 2002, 14 p., Madeira Rochas – Divulgações Científicas e Culturais.
  • Estudo geológico e geotécnico preliminar do Pico de Ana Ferreira, contemplando a área da pedreira desactivada, tendo em vista a sua reabilitação e elaboração de proposta de classificação como património geológico
    João Silva & Celso Gomes, 2001, Editor: EnGeoMad – Planeamento e Gestão de Recursos Naturais, Funchal, 11 pp.
  • Crónicas “Geopaisagens e património Geológico do Arquipélago da Madeira”
    João Silva, Revista Saber Madeira – Magazine de Informação e Saber Soft – Revista com Edição internacional – Inglês e Alemão, Janeiro de 1999, 2000, 2001 e 2002.
  • Património Geológico da ilha do Porto Santo: importância do seu conhecimento, divulgação e preservação
    João Silva, Suplemento publicado no Semanário Tribuna da Madeira, 17 de Agosto de 2002, 8 p.
  • Litologias
    Rui Pena dos Reis, M.Helena Henriques, J. Cosme. Universidade de Coimbra e Coimbra 2003.
  • Património Geológico e Geoconservação: a Conservação da Natureza na sua Vertente Geológica
    José Brilha, Palimage Editores, Viseu, 2005, 190 p.
  • Geodiversidade da ilha da Graciosa, Açores
    J.C. Nunes, E. Lima, Açoreana, 2005, 10(2), 319-343.
  • Geoparque Arouca: um projecto para o desenvolvimento da região
    D. Rocha & C. Monteiro (Coord.), Câmara Municipal de Arouca, 2007, 106p.
  • Geoparque Arouca: Geologia e Património Geológico
    A.A. Sá, J. Brilha, D. Rocha, H. Couto, I. Rábano, J. medina, J.C. Gutiérrez-Marco, M. Cachão, M. Valério, Câmara Municipal de Arouca, 2007, 127p.
  • O tempo escrito nas pedras
    AJ.B. Silva, DVD, RTP Madeira e Madeira Rochas, 2007.
  • Cavidades vulcânicas dos Açores
    M.P. Costa, J.C. Nunes, J.P. Constância, P.A.V. Borges, P. Barcelos, P. Pereira, N. Farinha, J. Góis, Amigos dos Açores/Os Montanheiros/GESPEA, 2008, 48p.
  • Publicações diversas de H. Couto e co-autores [PDF]
  • Geodiversidade: valores e usos
    D. Pereira; J. Brilha; P. Pereira, Universidade do Minho, 2008, 16p., ISBN: 978-972-95255-6-8
  • Carta de Geossítios da Ilha de Santa Maria (Açores)
    João Carlos Nunes, Eva Almeida Lima, Sara Medeiros, Universidade dos Açores, 2009, ISBN: 978-972-8612-47-4

Teses realizadas em Portugal

Artigos em revistas

  • Geomonumentos em Portugal: proposta de classificação
    A.M. Galopim de Carvalho, 1998, Revista Leituras. Edição Biblioteca Nacional/Min. da Cultura. Diglivro, 20 de Abril nº 2, 13-18.
  • Importância da Geologia na defesa do Património Geológico, no Geoturismo e no Ordenamento do Território
    B. Barbosa, N. Ferreira, A. Barra. Geonovas nº13, 1999, 22-33.
  • Locais de interesse geológico – uma valência do património natural e construído do Minho
    M.F.Lima, C.L. Gomes. Geonovas nº15, 2001, 99-111.
  • As TIC e o património geológico: O Jurássico do Cabo Mondego (Portugal)
    M.H. Henriques, R.C. Rocha, L.V. Duarte. Actas da II Conf. Intern. Challenges ´2001/Desafios´2001, Dias, P. & Freitas, C.V. (Org.), 2001, Braga: Centro de Competência Nónio Século XXI da Universidade do Minho, pp. 547-558.
  • Património Geológico Português: importância científica, pedagógica e sócio-económica
    M.M. Ramalho. Geonovas nº18, 2004, 5-12.
  • Introdução ao Património Paleontológico Português: definições e critérios de classificação
    M. Cachão & C. Marques da Silva. Geonovas nº18, 2004, 13-19.
  • Os testemunhos que as rochas nos legaram: geodiversidade e potencialidades do património do canhão fluvial de Penha Garcia
    C. Neto de Carvalho. Geonovas nº18, 2004, 35-65.
  • O “Parque Geomorfológico de Monsanto” através do seu percurso pedrestre
    C. Neto de Carvalho. Geonovas nº18, 2004, 67-75.
  • O património geológico e geomorfológico do concelho de Idanha-a-Nova: Contributo para a sua classificação como Geoparque
    A. D. Sequeira & J.M. Serejo Proença. Geonovas nº18, 2004, 77-92.
  • Património Geológico Português – Alguns aspectos e problemas
    M.M. Ramalho. Estudos/Património: Outros Patrimónios, 2004, IPPAR, 57-61.
  • Definition of the Portuguese frameworks with international relevance as an input for the European geological heritage characterisation
    Brilha J., Andrade C., Azerêdo A., Barriga F.J.A.S., Cachão M., Couto H., Cunha P.P., Crispim J.A., Dantas P., Duarte L.V., Freitas M.C., Granja M.H., Henriques M.H., Henriques P., Lopes L., Madeira J., Matos J.M.X., Noronha F., Pais J., Piçarra J., Ramalho M.M., Relvas J.M.R.S., Ribeiro A., Santos A., Santos V., Terrinha P.
    Episodes, 2005, Vol. 28, No 3, 177-186. [PDF]
  • O projecto Geo-sítios e a divulgação do património geológico nacional
    M. Ramalho, C. Laiginhas, M. Loureiro, F. Silva. Geonovas nº19, 2005, 79-81.
  • Trabalhos apresentados na sessão “Património Geológico e Geoconservação” do VIII Congresso Nacional de Geologia (Braga, 2010) e-Terra, volume 18

Rochas ígneas da região de Leiria – saída de preparação da visita

29 de Julho de 2010

Antes de começar a saída com os docentes que iriam realizar o roteiro, entendemos que seria importante publicar um texto sobre Rochas Ígneas, de autoria de um dos docentes que fez o Roteiro e para uso restrito dentro da nossa Comunidade Escolar:

Optámos ainda por colocar dois textos, em pdf, um sobre sobre alteração de rochas, publicado apenas na Internet, e outro sobre Biodiversidade e Seres Vivos, também disponível em formato papel, para consulta dos professores:

Depois de os participantes terem lido estes materiais, bem como consultado a cartografia existente, bem como escolhido os materiais a levar para o campo, fazer-se-ia então a saída.

IMAGENS DOS LOCAIS A VISITAR – CLICAR PARA AUMENTAR

Morro do Castelo de Leiria:

Filão do Bairro dos Capuchos (vertente virada para IC2):

Filão do Bairro dos Capuchos (próximo da estrada da Marinha Grande):

Rochas eruptivas de Alqueidão da Serra (Porto de Mós)


Monte de São Bartolomeu (Nazaré)

,,,

Disjunção prismática de Portela de Teira (Rio Maior)





Rochas ígneas da região de Leiria – mapas interactivos

29 de Julho de 2010


Morro do Castelo de Leiria (junto ao baixo relevo de Korrodi) – Google Maps

Bing Maps 3D – Morro do Castelo de Leiria

Bing Maps 2D – ponto de encontro (Morro do Castelo)

Filão do Bairro dos Capuchos – próximo da IC2 (Bing Maps 2D)

Filão do Bairro dos Capuchos – próximo da IC2 (Bing Maps 3D)

Filão do Bairro dos Capuchos – próximo da estrada da Marinha Grande (Google Maps)

Disjunção esferoidal – Alqueidão da Serra (Porto de Mós) – Google Maps

Monte de São Bartolomeu – Nazaré (Google Maps)

Disjunção prismática de Portela de Teira – Rio Maior (Google Maps)

Disjunção prismática de Portela de Teira – Rio Maior (Mapas SAPO)